fbpx

Como o cérebro Cria: resenha e lições para sua vida criativa

A criatividade está por toda parte e nos acompanha ao longo da vida. Como o Cérebro Cria: O Poder Da Criatividade Humana Para Transformar O Mundo, explica como a capacidade de criar se manifesta e de que forma a sociedade explora isso para evoluir. Do ponto de vista de uma pessoa viciada em livros sobre o assunto, posso dizer que esse é bem mais aprofundado do que muitos por aí. 

Como o Cérebro Cria é um livro que vai além dos conceitos básicos do que é criar.

Vem cá, por acaso o título do artigo te lembra daquela série da Netflix? Saiba que sua memória está certa. O livro foi o ponto de partida para a produção da série. Unindo arte, ciência e cotidiano, os autores Anthony Brandt, compositor, e David Eagleman, neurocientista, relatam o que acontece na mente humana e o que nos torna programados para criar. 

O que está por trás da capacidade e do desejo dos seres humanos de inventar?

Logo no começo do livro você descobre que a criatividade está na sociedade desde que ainda nem pensávamos em ser profissionais e criadores. Nosso cérebro sempre foi e sempre será capaz de quebrar, entortar e mesclar aquilo que conhece, e é por isso que seguiremos inventando e descobrindo coisas ao longo da existência. “A grande magia do cérebro humano é que simulamos cenários incansavelmente. Nosso dom para a simulação abre novos caminhos para trilharmos.” Todas as páginas giram em torno de um tema principal: somos feitos para ser criativo.

Com muitas explicações sobre o funcionamento dos neurônios e do aproveitamento de referência, como quando contam que “o cérebro humano não registra as experiências de modo passivo, como se fosse um gravador, ele trabalha permanentemente sobre os dados sensoriais que recebe.”, os autores dão dicas de como você pode maximizar essas capacidades no dia a dia. O leitor que estiver atento, conseguirá fazer boas anotações para levar para a vida e impulsionar sua criatividade. 

Já na metade da leitura, Anthony Brandt e David Eagleman destacam a importância do estudo das artes e de uma educação criativa, que prioriza a imaginação, para o desenvolvimento da criatividade. “Da mesma forma que uma tomografia permite ver o cérebro em funcionamento, as artes nos permitem estudar a anatomia do processo criativo.” Aprender sobre o processo criativo de outros artistas é uma maneira de enriquecer sua capacidade de pensar e de criar. Aliás, é por isso que algumas pessoas no poder não estimulam o estudo artístico. Risos.

Quanto à experiência de leitura, considero uma nota oito. É um material feito para aprender. Senti que estava travada em alguns momentos, mas nada que me desanimasse, porque as informações são muito interessantes. O livro traz a oportunidade de ver a criatividade por uma perspectiva além das artes ou métodos de ter ideia. Por exemplo, você já pensou em como a inovação muitas vezes se esconde, mas sempre está lá? É o que acontece no mundo dos negócios e nas indústrias, a criatividade fica de fora com frequência, porque o importante é que cada coisa desempenhe sua função.

“Não sabemos até onde um investimento em criatividade pode nos levar. Mas, se pudéssemos ver o futuro, seus frutos nos espantariam.” 

Trechos do livro Como o cérebro cria que merecem uma reflexão

1) Respeite e explore suas referências – as tecnologias revolucionárias não surgem do nada, elas vêm de inventores que criaram com base nas melhores ideias de seus heróis. Não há invenção que surja do zero. O que existe é prospecção, mineração, refino e ourivesaria para criar algo que valha mais do que o ouro. Não seja prepotente a ponto de achar que suas ideias são exclusivamente suas. Você precisa e deve ter um banco de referências grandes se quiser ter mais inspiração. 

2) Por mais importante que a criatividade tenha sido para nossa espécie nos últimos séculos, ela será absolutamente indispensável para nossos próximos passos. Desde nossas atividades diárias até nossas escolas e empresas, estamos todos avançando em direção a um futuro que exige uma remodelação constante do mundo. Nunca duvidei que o futuro seria criativo, e você? 

3) A falta de surpresa é um problema. Quanto melhor compreendemos uma coisa, menos esforço dedicamos a pensar sobre ela. A familiaridade cultiva a indiferença. Nosso cérebro está sempre em busca de novidades e fica animado quando se atualiza. Em outras palavras: enjoamos fácil de tudo e precisamos de novos estímulos com frequência.

Você pode comprar o livro aqui. 

Apesar de trazer muitos exemplos e estudos, Como o Cérebro Cria não é um livro completamente técnico. Ele celebra a capacidade humana de criar e destaca que somos o único ser com uma habilidade tão bonita – é nosso dever explorar isso para transformar o mundo ao redor. Recomendo demais a leitura para quem busca ser uma pessoa mais criativa e com muitas ideias de sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *