4 pilares que sustentam o desenvolvimento criativo

A criatividade (e o desenvolvimento criativo) é uma habilidade socioemocional que nos permite criar a partir da nossa relação com o mundo. Desde a época das cavernas ela é fundamental para o bom funcionamento do mundo, afinal, é a partir da possibilidade de inventar que as melhores coisas nascem.

Pode reparar, os avanços tecnológicos, os novos métodos para melhorar a qualidade de vida, os conceito de sucesso profissional…tudo isso é fruto de uma ideia de alguém que foi criativo em algum momento da vida. 

O que faz da criatividade uma coisa tão mágica é que ela pode permanecer ali, escondidinha, durante muitos anos, mas com o estímulo certo, pode ser descoberta e explorada. Para que isso aconteça, você precisa primeiro entender quais são os pilares que sustentam o desenvolvimento criativo e, só então, olhar para eles com mais carinho. 

Como eu posso trabalhar o meu desenvolvimento criativo?

Comece entendendo no que ele se sustenta!  

A curiosidade 
Todo aprendizado começa com uma pergunta e grande parte dos questionamentos trazem uma informação nova. Por isso, ser curioso é a coisa mais importante para ser criativo. Isso é o que te mantém aquecido, aprendendo coisas novas e coletando informações para o seu “banco de dados” chamado cérebro o tempo inteiro.

Na maioria das vezes que falam que aquela criatividade da infância precisa existir na vida adulta, estão falando sobre a curiosidade. Uma criança não tem medo de perguntar o por que das coisas. Os adultos também não deveriam ter. 

Agora que você já sabe que a curiosidade é importante para o seu desenvolvimento criativo, pergunte, pergunte e pergunte! Quando estiver em uma conversa na mesa do bar e um colega falar sobre algo que você não conhece, não finja que entendeu. Se você for muito tímido (a timidez e a criatividade não são muito amigas, hein?), pesquise sobre o assunto em um outro momento, mas não deixe de querer saber. Quem questiona mais, cria mais! 

A imaginação
A possibilidade de imaginar é a coisa mais bonita que a gente tem. Como seres humanos, isso é o que nos faz especial. Até porque, sejamos sinceros, perto de alguns outros animais, nós não somos fisicamente tão bons assim. É somente graças a nossa consciência de imaginação que somos uma das melhores criaturas que existe no mundo. Todas as criações que revolucionaram o planeta surgiram na cabeça de alguém antes de existir de fato. Tudo vem da mente! 

Jean-Jacques Rousseau, um importante filósofo do Iluminismo, já dizia que o mundo da realidade tem seus limites; o mundo da imaginação não tem fronteiras. O problema é que nem só de coisas boas vivem nossos pensamentos e assim como a imaginação pode ser aproveitada para construir coisas positivas, como novos produtos, ideias ou estilos de vida, ela também cria coisas negativas, como aquelas situações só existem na nossa cabeça. 

Se você busca dominar o seu desenvolvimento criativo, faça o possível para entender seus pensamentos. Dê atenção para as ideias bacanas e evite ouvir as ruins, elas alimentam o medo e nós não precisamos disso na vida criativa. 

A coragem

Ah, pra mim, esse é o pilar mais importante no desenvolvimento criativo! 
É preciso ter coragem não só para mostrar suas criações, mas para permitir que as ideias fluam. Muitas vezes, o medo de tentar, de fracassar nas associações de ideias e de lidar com as consequências do que é expressado em sua criação são os causadores do bloqueio criativo. 
Voltando ao papo das crianças, sabe por que também dizem que elas são muito mais criativas do que os adultos?  Porque, diferente dos adultos, as crianças não se preocupam em parecer ridículas.
Não devemos ter medo de viver o processo criativo, porque só assim somos capazes de fazer coisas inéditas. Identificar onde está o “medo criativo” – medo do desconhecido, medo de ser julgado, medo de agir, medo de perder o controle –  é o começo para despertar sua criatividade. 

“Criatividade vem de confiar. Confie em seus instintos.”

 Rita Mae Brown

A paixão 
Existem duas formas de olhar esse assunto. Primeiro, tem o lado de que a paixão é o combustível para arte. Não necessariamente a paixão entre um casal, porque eu não acredito que as coisas no universo artístico se resumem a isso. O processo é o seguinte: ao desenvolvermos nossa habilidade de criar, descobrimos áreas de paixão natural e daí surge um interesse em realizar alguma coisa. A motivação e as ideias vêm das paixões e essa combinação resulta na vontade de arriscar e continuar a desenvolver coisas novas. 

O outro lado é ligado à paixão de fazer. É preciso ser apaixonado por criar para continuar sendo criativo. Nem sempre o caminho do artista é fácil. Além dos mitos, que podem ser bem reais em algum momento da vida, como a falta de dinheiro e de valorização profissional, há dificuldades relacionados a vontade de continuar, bloqueio criativo e sentimento de insuficiência. Sem contar as coisas chatinhas do dia a dia profissional, que só quem trabalha com criação sabe. Como em outras áreas, apenas tendo muita paixão pelo que se faz é que você pode aguentar firme, um dia após o outro. 

Entre todas as coisas, a paixão por criar é o que sustenta o seu desenvolvimento criativo. 

Todos querem descobrir qual é o segredo da criatividade. Eu também! 
Arrisco dizer que tudo começa pelos pilares do desenvolvimento criativo.

4 thoughts on “4 pilares que sustentam o desenvolvimento criativo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *